Mensagem de Final de Ano aos Conselheiros do CGI.br

tipo: Documentos
publicado em: 11 de dezembro de 2015
por: CGI.br

Dezembro de 2015 
Virgilio Augusto Fernandes Almeida

Mais um ano de trabalho que completamos juntos, todos, conselheiros, técnicos e funcionários do CGI.br e NIC.br. Mais um ano de marcantes realizações. Vou citar apenas três, de uma lista bem maior. O planejamento e a execução do IGF 2015 na Paraíba ressaltaram a capacidade de organização e o prestígio internacional do CGI.br. Numa linguagem mais jovem, diria que o CGI.br “bombou” em João Pessoa. E já que estamos mesmo nessa linguagem mais coloquial, aproveito para dizer que o CGI.br “arrasou” em duas outras iniciativas. O “datacenter” “gigante” do NIC.br, de escala planetária, como bem observou um de nossos queridos conselheiros, é um marco importante para a Internet no Brasil. Não podemos esquecer que o “datacenter” construído pelo NIC.br para suas atividades finalísticas constitui também um componente importante da moderna infraestrutura de comunicação e informação do país. Merecem destaque também as diversas resoluções aprovadas pelo CGI.br, mas, uma delas, em particular, reflete bem o espírito multissetorial e a visão estratégica do CGI.br. Trata-se da resolução que propõe sugestões para a regulamentação do Marco Civil da Internet, onde mais uma vez o CGI.br foi capaz de chegar a uma posição única, refletindo uma síntese das posições de diferentes setores da sociedade brasileira. Parabéns a todos pelas realizações de 2015. 
 
Queridas conselheiras e caríssimos colegas do CGI.br. Como tem sido uma tradição nesses últimos anos, vou aproveitar os festejos de fim de ano para refletir um pouco sobre o futuro.   Para abordar alguns desafios que teremos pela frente, vou, mais uma vez, recorrer a um pequeno poema, de um grande poeta brasileiro, o pernambucano João Cabral de Melo Neto. E o poeta diz:

A Lição de Pintura
-    Quadro nenhum está acabado
-    Disse certo pintor
-    Se pode sem fim continuá-lo
-    Primeiro, ao além do outro quadro
-    que, feito a partir de tal forma
-    tem na tela, oculta, uma porta
-    que dá a um corredor
-    que leva  a outra e muitas outras.

Caros amigos, o CGI.br não é uma obra pronta. Não é um quadro acabado. Como a Internet, o CGI.br tem de evoluir com a dinâmica da própria rede, tendo como bússola os dez princípios de governança e uso da Internet. Deve considerar a evolução de uma maneira ampla, contemplando as pessoas, a estrutura, processos, procedimentos e a temática de suas discussões e ações. A idéia de governança de 20 anos atrás difere muito das necessidades atuais e futuras que giram em torno da Internet. O impacto econômico, político e social da Internet permeia toda a sociedade brasileira. A Internet é vital para as empresas, essencial para a operação do governo, é parte do dia-a-dia do cidadão, independente de classe, raça ou gênero. Por isso mesmo é que as questões de governança tornam-se cada dia mais difíceis e conflituosas.

Depois de dois anos de intensas atividades internacionais, creio que em 2016 as atenções do CGI.br devem prioritariamente se voltar para as questões nacionais. As mudanças pelas quais passam o país e a sociedade brasileira, sejam elas no campo político, econômico ou social trarão desafios para a governança da Internet no Brasil. As turbulências políticas podem demandar ações preventivas do CGI.br, principalmente na manutenção do espírito de uma Internet, aberta, democrática, inclusiva e viva, tão bem representado pelo Marco Civil. O CGI.br precisará da sabedoria e dedicação de seus conselheiros e conselheiras para defender o espírito do Marco Civil. O prestigio internacional do CGI.br deve-se muito à solidez de sua atuação nacional.

Em 2016, devemos focalizar o olhar para questões internas. Tenho observado alguns sinais que apontam para a necessidade de um olhar mais reflexivo. Com a crescente centralidade da Internet na vida moderna, os processos decisórios do CGI.br têm de ser repensados. São, às vezes, demasiadamente complicados e longos. A Internet tem um ritmo que muitas vezes requer maior agilidade. Muitas perguntas precisam ser discutidas pelo CGI.br em 2016. Como poderíamos falar mais com a sociedade? Como tornar o CGI.br uma instituição mais visível para a sociedade? Quais são novas formas de decisão em uma organização multissetorial, sujeita a interesses, às vezes, diametralmente opostos? Quais tecnologias poderiam ser desenvolvidas para acelerar o processo de decisão do CGI.br? Como o CGI.br deve se preparar para as mudanças geracionais?  Como formar os conselheiros do CGI.br de amanhã e os futuros executivos do NIC.br? O ano de 2016 será um tempo de perguntas e quiçá de várias respostas.

Para finalizar, resta-me agradecer a todos com quem tenho trabalhado e também dizer aos colegas e amigos do CGI.br e NIC.br que conto com a colaboração e a amizade dessa grande equipe para vencermos os desafios que não serão poucos e nem pequenos. Meus caros amigos e amigas,  muito obrigado.